domingo, 20 de abril de 2014

O Padre Aníbal e a construção da Estação de Correios em Castro Laboreiro (1957)


A Estação dos Correios de Castro Laboreiro em 1957

Castro Laboreiro tem uma dívida eterna para com o Padre Aníbal. A Estação de Correios da terra erguida em 1957, mas há anos desativada, deveu também a sua construção ao célebre pároco.
Num documento da época, encontramos referências à edificação dos Correios de Castro Laboreiro e de como o saudoso Padre Aníbal contribuiu para que tal obra fosse possível: "Alcantarada na serra, povoada de gente boa e simples para a qual a vida é dura, porque o alcantilado da terra exige grande esforço no trabalho, Castro Laboreiro vive da agricultura e do pastoreiro do gado. O comércio é reduzido e as indústrias incipientes. E para que a terra progrida há que dar-he novos meios de desenvolvimento.
Decerto por isso foi o Correio-Mor, procurado em Moledo do Minho pelo Reverendo Padre Aníbal Rodrigues, abade de Castro Laboreiro. Explicou-lhe o Correio-Mor que, a Administração-Geral, desejosa de servir a valorização económica e social das localidades menos desenvolvidas, se disporia a instalar em Castro Laboreiro uma estação de correio, simples e moderna, se algum homem bom da terra tomasse a iniciativa de construir para isso edifício próprio, segundo planos dos serviços técnicos dos CTT.
De regresso a Castro Laboreiro, o reverendo Abade Aníbal Rodrigues, arranjou logo construtor. Entre vários pretendentes foi preferido o Exmo. Senhor José Joaquim Esteves, dadas as melhores facilidades de construção no seu terreno. Fica o novo edifício na Estrada Nacional nº 202, próximo do ramal que conduz ao Largo da Igreja Matriz. O prédio tem dois pisos, localizando-se no 1º andar, a residência do Chefe da Estação, e no rés-do-chão a estação, que dispõe de sala do público, sala de serviços, arquivo e dependências para a central telefónica automática e baterias.
A estrada de 30 Km’s que liga a Melgaço, construída há anos, a instalação do serviço telefónico feita em 1953, e agora a criação da estação de correio, e a automatização telefónica, constituem melhoramentos de grande projeção no futuro desta antiquíssima vila que remonta pelo menos ao período romano.
A Administração- Geral do CTT honra-se por seu turno ter dado duas contribuições, decisivas nesse sentido, e uma delas mercê das possibilidades oferecidas a todas as pequenas localidades pelas condições magníficas do Plano da Pequenas Estações de Província.

O caso de Castro Laboreiro, resolvido com a inauguração festiva de hoje, é exemplo típico do que pode a força do espírito de servir e colaborar. Mas neste caso ainda, ou não se tratasse de uma das mais antigas e pitorescas terras de Portugal, é dever de justiça associar a realização  o nome do virtuoso abade da freguesia, que, à boa maneira antiga, se interessa tanto pelos bens espirituais como pelos melhoramentos materiais dos seus paroquianos.

Extraído de:
- 81ª Realização do Plano de Instalação e Reinstalação de Pequenas Estações de Província, com a inauguração da estação do Correio de Castro Laboreiro. Administração-Geral dos CTT, Ministério das Comunicações, Abril de 1957.

Sem comentários:

Enviar um comentário