sábado, 30 de janeiro de 2016

A bravura das castrejas (Castro Laboreiro, 1875)

Castro Laboreiro (Melgaço)

Recuamos até 1875. Espanha está em guerra civil, está em curso a terceira guerra carlista. Frequentemente, guerrilheiros galegos atravessam a fronteira e procuram refúgio nos montes em Castro Laboreiro. Existe uma forte presença de soldados portugueses em terras castrejas para evitar a entrada de combatentes galegos em território português.
Este clima de tensão na fronteira é falado no Brasil no “Jornal do Commercio” na sua edição de 17 de Setembro de 1875. No dito periódico, faz-se alusão a uma notícia do jornal valenciano “O Noticioso” nestes termos:
“O Noticioso de Valença dá a seguinte notícia que eloquentemente revela qual o espírito do povo na raia portugueza: Fallando-se ha dias em Castro Laboreiro, que parte dos voluntários galaicos que se tinham sublevado em Entrimo, estavam dispostos a vir àquela povoação atacar o destacamento que alli está, e fazer distúrbios, vingando-se deste modo de lhe haverem prendido um companheiro que vinha para Tuy, de que demos notícias em um dos números passados, os habitantes daquella povoação trataram de se armar para coadjuvarem o commandante do destacamento, afim de oppôrem resistência à passagem dos revoltosos.
“Dizem-nos que era para admirar a coragem dos habitantes de Castro Laboreiro. Não foram só os homens que se prepararam para o ataque. As mulheres, com fouces, machados e outros instrumentos bellicos, estavam também dispostas a entrar em acção. Felizmente, não foi necessário experimentar a bravura das castrejas, que deram a conhecer que ainda não acabaram as padeiras de Aljusbarrota, nem as Ignezes Negras, heroínas de Melgaço.”
E pode-se assegurar que em todo o norte do paiz, o espírito e sentimento popular não destoam do dos habitantes de Castro Laboreiro.”

Acerca da bravura dos castrejos e dos castrejos, está tudo dito...

Cabeçalho do "Jornal do Commercio", edição de 17 de Setembro de 1875

"Jornal do Commercio", edição de 17 de Setembro de 1875, corpo da notícia citada

1 comentário:

  1. Que fermosas historias¡¡¡Gosto moito da historia dos lugares.Saúdos.



    ResponderEliminar