sábado, 28 de março de 2015

Castro Laboreiro, 1938: A PVDE e a Guarda Fiscal em busca de Eudozia Diz e seus pais (galegos fugidos à repressão franquista em Espanha)

Eudozia Diz, depois de capturada

Eudozia Lorenço Diz, era uma professora em San Ginés, no concelho de Lobeira antes do golpe militar franquista em Espanha. Fugiu com os pais durante a Guerra Civil Espanhola e veio refugiar-se em Castro Laboreiro. Aqui,  a PVDE com a estreita colaboração da Guarda Fiscal perseguiu sem tréguas as centenas de galegos que aqui se esconderam. As autoridades portuguesas terão enfrentado grandes dificuldades para localizar os refugiados galegos. Estes contaram com a hospitalidade e proteção dos castrejos. No caso de Eudozia Diz, em terras de Crasto, para não levantar suspeitas, passou a vestir o traje castrejo como a restante comunidade. Além disso, circulava pelos caminhos com os seus pais: Agustin Lorenzo, de cinquenta anos e Basilica Diz, cinco anos mais nova. Conta-se que enquanto esteve escondida em Castro Laboreiro, entre 1936 e Maio de 1938, terá ensinado a ler e escrever algumas crianças castrejas
Em 1937, a PVDE já sabia que Eudozia e seus pais estão algures em Castro Laboreiro mas desconhecia o seu paradeiro. A Guarda Fiscal terá interrogado pessoas de várias aldeias castrejas e as informações eram algo contraditórias. Segundo alegadas testemunhas, uns situavam Eudozia na Entalada ou no Rodeiro; outras dizem que se encontram nos Ribeiros, ou talvez na brandas dos Portos.
Num relatório de 12 de Maio de 1938, dirigido à diretoria da PVDE (Polícia de Vigilância e Defesa do Estado, mais tarde PIDE), o Comandante do Posto da Guarda Fiscal do Peso (Melgaço), refere-se à revista de casas em Castro Laboreiro em busca de Eudozia e seus pais bem como das dificuldades em localizá-los:
“Ao Exmo Sr. Secretário Geral da P.V.D.E. – Lisboa
Estava pois, dentro do refúgio dos epigrafados (Eudozia e seus pais), mas depois de interrogada a vizinhança acerca do seu paradeiro ou da localização, não me foi possivel obter quaisquer informações concretas, que me facilitasse  uma pista para a sua captura. Acresce ainda, que a Eudozia traja agora de castreja, para mais facilmente poder andar entre estas e não ser reconhecida. Como já é do conhecimento de V. Exa., este povo da Serra, embora com costumes bastante selvagens, são dotados de uma invulgar astúcia, preferindo a prisão e as maiores torturas a denunciarem o paradeiro dos espanhóis refugiados, que para eles, representa um governo de vida, pelas pesetas que recebem da comida, albergue e outras incumbências, que sem escrúpulos executam.
  Assim, torna-se difícil a captura de grande numero de REFUGIADOS espanhóis que ainda hoje se encontram pela Serra, que ao mais leve aviso de aproximação da Policia ou da Guarda Fiscal, desertam dos lugarejos onde se encontram, para se esconderem entre os rochedos, alguns já com furnas por e estes preparadas, onde dificilmente poderão ser encontrados.
Junto envio a V.Exa. as fotografias da Eudozia Diz e de seu pai Agustin Lorenzo " El Masidao", para que V. Exa. se digne ordenar que sejam tiradas umas reproduções  e enviadas, com a possível brevidade a este posto, para distribuir pelos postos da Guarda Fiscal, desta área.
Com novos elementos sobre o paradeiro de outros refugiados, que consegui obter do espanhol Camilo ALONSO, que detive em Estivadas, e salvo ordens de V. Exa., em contrário, espero levar a cabo novas diligências, das quais oportunamente darei conhecimento  a V. Exa., do seu resultado. (...)
(...) Também fui informado que tanto o Regedor como o Padre  desta Vila de Castro Laboreiro tinham conhecimento da existência ali dos referidos espanhóis, SENDO POR ESTES ENCOBERTOS E PROTEGIDOS.”
Contudo, as autoridades manteriam a pressão e conseguiriam dias depois obter informações do paradeiro de Eudozia que conduziriam à sua prisão no dia 17 de Maio de 1938. O capitão J. G. Da Cunha do Quartel da Guarda Fiscal do Peso (Melgaço), no relatório da prisão de Eudózia e suas pais, descreve as intensas buscas e captura:
“No Rodeiro (Castro Laboreiro), lugar que me foi indicado, como certo, o paradeiro da Eudozia Lourenço Diz  e de seus pais, foi-me bem difícil e só depois de muita persistência, chegar ao resultado obtido.
Tinha a informação de que estariam refugiados numa mina, no rio que margina este lugar ou na casa de António Domingos Rendeiro, num esconderijo perto de uma lareira.
Tendo comecado pela busca à casa, ou seja, uma daquelas que continham camas em numero muito superior às pessoas ali residentes,conforme informei V. Exa, no meu relatório de 12 do corrente, nada encontrei de suspeito a não ser um pequeno bilhete, com talho de letra de senhora que o Rendeiro me dizia ter sido escrito por um seu amigo. Estes foram acareados e verifiquei ser falsa a sua declaração e como se mantinha na sua forma negativa, de não conhecer ou possuir na sua casa espanhóis refugiados, ficou este detido, bem como sua irmã ali residente que se mantinha na mesma atitude.
Dirigi-me então com estes para o rio, batendo todos os pontos onde se supunha estar a mina, mas foi um exausto trabalho que não surtiu resultado.
Foi feita nova tentativa à casa do Rendeiro e baseando-me numa informação, fiz retirar de um canto da lareira enormes atados de urzes e um pesadíssimo banco, tudo isto assente sobre um chão de lages.
Ao pedir um ferro ou martelo, para ver se, em algumas destas obtia um som oco, fui surpreendido com o levantamento muito lento de uma destas, e de vozes que imploravam clemência. Ali estavam como supultados num túmulo, cobertos de palha, Agustin Lorenço Puga, Basilica Diz e Eudozia Lourenço Diz que a muito custo, foram saindo por um orifício relativamente pequeno, deixando ver nos seus rostos traços de grande sofrimento.
(...) Devo pois informar V. Exa, que ainda há, na Serra de Castro Laboreiro e na Peneda, grande número de refugiados espanhois, sobre os quais aguardo a informacão do seu paradeiro certo, para proceder às respectivas capturas, salvo ordens de V. Exa, em contrário.
A Bem da Nacão.”

Ficha Biográfica prisional de Eudozia

Depois de capturados a 17 de Maio de 1938 por elementos da Guarda Fiscal do Peso, Eudozia e suas pais são conduzidos à Cadeia de Melgaço e lá ficarão detidos durante mais de dois meses até ao dia 27 de Julho, altura em que seriam transferidos para Lisboa.

Documento de entrada na PVDE de Lisboa de Eudozia e seus pais transferidos de Melgaço

Enquanto permaneceram detidos em Melgaço, recebem uma carta de uma pessoa chamada Manuel Vidal, escrita em Lisboa, dizendo a Eudozia que o Consul de França estaria na disponibilidade de lhe fornecer documentos a ela e a seus pais.


Depois de pedirem transferência para Lisboa e esta ter sido aceite, temporariamente terão ficado detidos no Quartel do Carmo. Depois de lhes serem fornecidos documentos pelo Cônsul francês, foram libertados e expulsos do país. Embarcaram no paquete “Jamaique” em direção a Casablanca (Marrocos, à época território francês). Partiu de Lisboa a 10 de Agosto e terá chegado a Marrocos no dia 11 de Agosto de 1938.

Informações extraídas de:
A represion franquista en Galicia. Actas dos traballos presentados ao Congreso da Memoria; Narón, 4 a 7 de decembro de 2003; Asociación Cultural Memoria Histórica Democrática. 
- Arquivo familiar de Paul Feron Lorenzo.

NOTA: Um grande obrigado a Paul Feron Lorenzo, filho de Eudozia Diz, pela partilha de informações e documentação que possibilitou a publicação deste texto. MERCI, PAUL!

10 comentários:

  1. Carta paradeiro Melgaco, historia de nossos pais.

    ResponderEliminar
  2. Um documento que acompanha o blog:
    Dificultades para la Resistencia.

    Exmo Senhor,
    Para os devidos efeitos tenho a honra de enviar a V.Exma a transcricào duma informacào prestada pela Guarda Civil de Tuy
    " Um sugeito chamado J.J'D.R vecino de Leirado / Salvatierra de Min~o) que se hallaba alzado contra el movimiento militar huido. Desde los ultimos dias de Julio de 1936, estuvo refugiado en Portugal en casa de... Y Fue en casa de.....,y estando co este fue detenido por la policia. portugesa
    Al ser puesto en la frontera por Puente Barja,se le permitio llegar Hasta su casa de Leirado,donde ha sido detenido y dice que alla en Portugal ayudo a la Policia a detener ocho espan'oles de les huidos rojos entre ellos a una Maestra llamada Eudosia Diz,su Padre y su madre,que aun se hallan presos en Portugal,un sugeto llamado Camilo de Entrimo( Orense) y otro llamado Antonio de Quejua-Entrimo.
    Dice que los rojos espanôles se hallan ocultos en la Sierra de Peneda en unas cuevas que ellos mismos abrieram a la parte poniente de la Sierra ,cerca del lugar de AMEIXOEIRA,de la felgresia de Castro Laboreiro cerca de la Pena de Anaman;que dicha cueva esta construida con ramificaciones subterraneas en forma de Cruz griega y alli tienen incluso camas que les facilitaron sus familiares de ENTRIMO y los vecinos de los lugares proximos de LOBEIRA.
    Dice el detenido que alli hubo cerca de trecientos huidos pero que ahora el solo vio unos 28 y que estan armados de Mauser,pistolas ,ametralladoras y parabelum.; que ha visto entre los huidos a un médico de Corunun'a ,alto,color triguenô ,de unos treinta y cinco an'os y dos marineros de la Escuadra,uno moreno,bajo grueso y otro alto,fuerte,que tiene una divisa como de Cabo,pero desconoce los nombres.

    Valenca ,4 de Junho de 1938. A Bem da Nacào
    Ao Excelentissimo Senhor Secretario Geral da P.V.DE.

    LISBOA
    O Chefe do Posto.
    Paul F.L.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Paul. Muito obrigado pelo seu comentário. Queria perguntar-lhe se poderia publicar este extracto deste relatório num outro artigo. Julgo que era muito interessante para o público. Com este documento, compreendemos que a sua mãe e avós foram traídos por este senhor que ajudou a polícia portuguesa a capturá-los! Um abraço! Valter.

      Eliminar
  3. Sim ,nào hà problema.
    Nos entendemos que a traicào veio principalmente dos propios partidarios.
    P.F.L.

    ResponderEliminar
  4. É finalmente ,36 anos mas tarde,aconteceu em 1974/04/25 para limpiar tudo .
    25 Abril Sempre .
    Paul

    ResponderEliminar
  5. Na cova da Serra da Peneda.Era un enorme penasco .Habia como un patio,arrodeado todo de altos penedos, e nun recanto deste patio,un furaco que daba entrada,arrastrandose,a un oco todo de pedra.Cun grande callau pechabase por dentro o boquete da entrada.ali pasei un mes,eu so.O lugar onde fun confinado era morada dos lobos,As veces escoitaba os seus oubeos ,non moi longe..."O Sinor Afranio."Memorias dun fuxido .o fardel da memoria .Anton Alonso Rios .

    ResponderEliminar
  6. Dear Paul,
    Would like to inform you that my dear mother(now deceased), Constancia Fernandes often recounted stories about your dear mother to me. My mother was eight years old when your mother and your grandparents were captured in Rodeiro. Your mother was a Saint to my mother. It was your mother that thought my mother how to read and write and for this blessing, my mother was eternally grateful. My desire to learn,appreciate and value education has been passed on to me from your mother. The spirit of your mother will always be part of our family....Sincerely, Dr. Americo Fernandes

    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dear Americo Fernandes.Thanck you for these words that Could serve as épitaph in the Réunion Island FR .( Indian Océan ) .Coud y know where you live With the hope to meet you one day .
      Sincerely .Paul Feron Lorenzo

      Eliminar
  7. I am very sensitive to this beautiful tribute.paul Feron .Perpignan.fr.
    Feron Memoire - www.facebook.com/paul3.feron.fr

    ResponderEliminar
  8. J'aurais tant souhaite' vous connaitre car ces mots sont un precieux heritage .

    ResponderEliminar