sábado, 16 de junho de 2018

A velhinha Ponte Internacional de S. Gregório (Melgaço): algumas notas históricas



A velha Ponte Internacional de S. Gregório era uma passagem sobre o rio Trancoso que se localizava ao fundo da Rua Verde no referido lugar da freguesia de Cristóval, deste concelho de Melgaço e ligava à margem galega, à localidade de Ponte Barxas.
Neste sentido, é bom salientar que a existência desta ponte é muito antiga dando inclusivamente nome ao próprio lugar que tinha uma designação comum de ambos os lados o rio: Ponte das Várzeas/Ponte Barxas. Todavia, do lado português, o nome entrou em desuso algures no início do século XX, enquanto que do lado galego, a localidade conserva o nome arcaico (Ponte Barxas).
Esta ponte era tão rudimentar como estratégica em termos militares. Historicamente, daquilo que se conhece, era a principal passagem de Melgaço para a Galiza no vale do rio Trancoso e por isso, um ponto fronteiriço sempre sensível em tempos de guerra. Sabendo que em tempos antigos, o rio Minho era intransponível em praticamente todo o troço que passa por Melgaço, restavam as outras linhas de fronteira natural, entre as quais o traçado do rio Trancoso. Nesta linha fronteiriça, a importância da Ponte das Várzeas é destacada por MOREIRA, L. (2008) que refere que Desde Castro Laboreiro, à entrada do rio Minho, a fronteira era estabelecida pelo vale do rio Trancoso - também designado por “rio das Várzeas” - cujo vale de margens abruptas era considerado impenetrável. Os únicos pontos de passagem seriam duas pontes: a Ponte de Pouzafolles, ainda em área de montanha, e a Ponte das Várzeas, construída em madeira no lugar de S. Gregório”, relativamente próximo do rio Minho.
De facto, esta ponte internacional, com toda a importância que a sua localização estratégica lhe oferece, é aqui referida como sendo construída de madeira. Tal informação é confirmada na memória paroquial de 1758 de Cristóval, onde o sacerdote refere que a paróquia “tem mais o lugar de  Sam Gregório com uma capela antiga do mesmo santo e com vinte vizinhos (fogos), por onde é a estrada deste Reino de Portugal para a Galiza passando-se o regato por uma ponte de táboa que chamam a Ponte das Varges.
A sua importância estratégica da perspetiva militar durante a Guerra da Restauração (século XVII) é comprovada pela frequência com que é utilizada por portugueses e espanhóis nas suas incursões em território inimigo, além do cuidado por parte dos nossos em guardar esse ponto fronteiriço. Podemos citar um trecho do livro “História do Portugal Restaurado” que nos fala das manobras militares nas fronteiras desta região: D. Gastão, com outro troço, ficou alojado na Ponte das Várzeas (Cristóval) e para que o inimigo divertisse o poder que tinha junto, mandou entrar na Galiza pela Portela do Homem a Vasco de Azevedo Coutinho e por Lindoso a Manuel de Sousa de Abreu, ordenando-lhes, que segunda feira, nove de Setembro, entrassem na Galiza. No mesmo dia ao amanhecer, dividiu D. Gastão a infantaria em três troços e levantando uma plataforma, fez jogar as duas peças de artilharia que levava, contra o reduto da Ponte da Várzeas (junto a Ponte Barxas) e foram de grande efeito, recebendo o inimigo considerável dano. Os três troços, que governavam Lourenço de Morim, Sargento Mor de Caminha e os Capitães Gaspar Casado Manuel e Martim Coelho Vieira, com grande valor e pouca ordem, superando o embargo de algumas estacadas, avançaram três redutos, e entraram ao mesmo tempo, degolando os soldados que os guarneciam. Ficando aberto o caminho para Monte Redondo, que os galegos haviam reparado, se retiraram os que fugiram para este lugar que ficava vizinho. Depois de arruinados os redutos galegos, os portugueses investiram contra as trincheiras de Monte Redondo, e desemparando o inimigo, entraram no lugar e saquearam-no uma segunda vez. O mesmo fizeram a algumas aldeias que ficavam pouco distantes. Os galegos acudiram àquela parte com três mil infantes e 400 cavalos e achando a gente carregada de despojos, avançaram com resolução e os soldados da ordenança, não querendo pôr em contingência o que haviam roubado, voltaram as costas, não valendo a D. Gastão as grandes diligências que fez para os deter na Ponte das Várzeas. Os oficiais e 500 soldados que ficaram, fizeram rosto ao inimigo e valendo-lhe a aspereza do sítio, se vieram retirando pelas veredas mais estreitas, e deixando 15 soldados mortos e dez prisioneiros, conseguiram valorosamente passar a Ponte das Várzeas sem maior dano.
Em finais do século XIX, os tempos já são outros mas esta estratégica Ponte Internacional de S. Gregório conserva-se como uma estrutura rudimentar em madeira. No livro “O Minho Pittoresco” (1886), podemos ler uma curiosa mas detalhada descrição da ponte e refere-se que “S. Gregório é, por assim dizer, uma rua única, uma rua verde, em ladeira íngreme até à ponte da Várzea, essa ponte que o nosso desenho representa, e que é a primeira ponte internacional lançada entre os dois países, se não quisermos falar nas poldras de Pousafoles, mais ao nascente, no curso do Trancoso.
Mas, enfim, a ponte da Várzea tem já os seus 4 metros de altura, 6 de comprimento e 2 de largo! É quase a ponte de um lagosinho!
Não se riam dela, contudo, que ali onde a vêem, com os seus dois troncos de castanheiro, lançados de margem a margem, e os seus torrões como pavimento macio, é um símbolo de fraternidade entre dois países que vivem em plena paz, e seria um baluarte de independência a conquistar, quando o clarim de guerra ressoasse desoladoramente por aquelas quebradas fora.
Ponte Várzea é o lugar espanhol, donde o pontilhão tira o nome e que pertence à alcaidaria de Padrenda, com quem S. Gregório faz o seu comércio meio lícito, meio... de contrabando!
Que diabo queriam, porém, que fizesse S. Gregório, se no inverno é a margem de Ponte Várzea que lhe dá por empréstimo um bocadito de sol, a cujos raios vão aquecer-se aqueles pobres friorentos gelados das suas sombras de meses!”
Em 1911, a singularidade desta ponte de S. Gregório chegaria a provocar risos o Parlamento numa altura em que se temia que Paiva Couceiro e as forças realistas entrassem em Portugal por esta mesma ponte. Num livro que se debruça sobre o Governo de Pimenta de Castro, pode ler-se que Circulava o rumor de que Paiva Couceiro estava atravessando a ponte internacional de S. Gregório com sete mil homens. — «Como o caso é gravíssimo, quero saber, senhor Ministro da Guerra, que medidas de defesa adoptou e quais as que tenciona adoptar?» — Pimenta de Castro, natural de Monção, sabia que a ponte internacional sobre o rio S. Gregório, não passava de um tronco de árvore atravessado sobre o pequeno rio. Desfrutou o mulato dizendo-lhe:
«Sete mil homens devem despender quinze dias a atravessar a ponte internacional de S. Gregório».
«Que defesa pensa estabelecer o senhor Ministro da Guerra e que tropas mandou para lá?»
«Tenho lá as tropas que lá estavam (não estavam nenhumas!) e mais as que para lá vou mandar (não mandou coisa alguma!)».
Paiva Couceiro não estava em S. Gregório, nem pessoa alguma. Isso porém é que ele não quis confessar...”
Esta ponte seria destruída nos tempos da guerra civil espanhola e nunca mais seria reconstruida. A Nova Ponte Internacional de S. Gregório já era uma realidade desde 1935...



Informações extraídas de:

- MARÇAL, Bruno José Navarro - (2010) - Governo de Pimenta de Castro - Um General no Labirinto da I República. Universidade de LIsboa, Faculdade de Letras, Departamento de História;
- MENEZES, Luiz de (1751) – História de Portugal Restaurado. Tomo I; Oficcina de Domingos Rodrigues; Lisboa;
- MOREIRA, Luís Miguel (2008) - O sistema defensivo do Alto Minho em finais do sés. XVIII. In: Cad. Vianenses; nº 41;
- VIEIRA, José Augusto (1886) - O Minho Pittoresco, tomo I, edição da livraria de António Maria Pereira- Editor, Lisboa.


sexta-feira, 8 de junho de 2018

Melgacenses que combateram na Primeira Grande Guerra - Os Expedicionários da freguesia de Prado


Prado (Melgaço)
(Foto em http://coxo-melgaco.blogspot.co)

Há cerca de cem anos, mais de sete dezenas de jovens melgacenses partiram para as trincheiras de França integrados no Corpo Expedicionário Português para aquele que foi o mais horrendo conflito militar da História que a humanidade tinha conhecido. Hoje, prestamos homenagem aos soldados do C.E.P. nascidos na freguesia de Prado, deste concelho de Melgaço:

1 - Tito Arsénio Alves Gonçalves, segundo-sargento do 2.º Esquadrão do Regimento de Cavalaria n.º 11, Coluna Automóvel para Transporte de Feridos. Nasceu às sete horas da tarde do dia 5 de Junho de 1895 no lugar da Bouça Nova, na freguesia de São Lourenço de Prado, filho de Manuel Luís Gonçalves e de Albina Rosa Alves.
À época da sua partida para a guerra, encontrava-se solteiro e morador no lugar da Bouça Nova, freguesia de Prado, deste concelho de Melgaço. Embarcou em Lisboa com destino a França, integrado no Corpo Expedicionário Português a 22 de Fevereiro de 1917.
Já no cenário de guerra, em França, sabemos que se encontrava em diligência na 1ª Divisão desde 6 de Junho de 1917, da qual recolheu em 17 de Agosto desse mesmo ano. Por essa altura, foi louvado “pelo zelo, atividade e competência desenvolvida no desempenho de todos os serviços de que foi encarregado e principalmente no cargo de vagmestre em que mostrou espírito de previdência e honestidade” (Ordem de Serviço da Coluna Automóvel de Transporte de Feridos nº 178 de 26 de Agosto). A partir de 4 de Setembro de 1917, encontrava-se de novo em diligência na 1º Divisão do Corpo Expedicionário Português.
A 24 de Outubro desse mesmo ano, baixa ao Hospital, tendo sido “julgado incapaz de todo o serviço e de angariar os meios de subsistência em sessão” de Junta Médica de 29 do mesmo mês e ano. Recebeu alta hospitalar no dia 30 de Outubro, seguindo para o Depósito de Adidos do Corpo Expedicionário. Posteriormente, seguiu para o Depósito de Adidos da Base em 9 de Novembro.
Contudo, em 27 de Novembro de 1917, baixa de novo ao Hospital Canadiano nº 3, tendo falecido em 5 de Dezembro, vítima de “tuberculose pulmonar”, tendo sido sepultado no cemitério de Boulogne, coval nº 8. Posteriormente, depois da guerra, os seus restos mortais foram trasladados para o Talhão A, Fila 3, Coval 4 do dito Cemitério de Boulogne-sur-Mer (França).

2 – Manuel Joaquim Gomes, soldado do Batalhão de Infantaria nº 3 (Viana do Castelo), 4.ª Brigada do Corpo Expedicionário Português (2ª Divisão). Nasceu às duas horas da manhã do dia 28 de Agosto de 1894 no lugar de Paredes, na freguesia de São Lourenço de Prado, filho de Manuel Joaquim Gomes e de Justina das Dores Gomes.
À época da sua partida para a guerra, encontrava-se solteiro e era morador no referido lugar de Paredes, na freguesia de São Lourenço de Prado, neste concelho de Melgaço.
Embarcou para França integrado no Corpo Expedicionário Português a 7 de Agosto de 1917, portador da chapa de identificação nº 49 064, tendo desembarcado no Porto de Brest (França) em 11 do mesmo mês e ano.
Não há registos no seu Boletim Individual até Fevereiro de 1918. Já no cenário de guerra, em França, baixa ao Hospital Inglês nº 30 em 5 de Fevereiro desse ano, tendo tido alta em 15 de Março seguinte.
Em 22 de Julho de 1918, entra em gozo de 30 dias de licença para convalescer, por decisão de Junta Médica (Ordem de Serviço do Quartel General do Corpo Expedicionário nº 200 de 22 de Julho de 1918).
Viria a baixar ao hospital em 18 de Agosto de 1918, desta vez ao Hospital da Base 1, tendo tido alta em 16 de Setembro para o Depósito de Infantaria. Em 18 de Setembro seguinte, apresentou-se no Esquadrão de Remonta vindo do Depósito de Infantaria, afim de ficar adido ao dito esquadrão.
Foi punido em 3 de Novembro de 1918 pelo “Senhor Diretor do Hospital da Base 1 com oito dias de prisão disciplinar por ter sido encontrado embriagado”.
Encontrava-se presente no Comando Militar do Corpo de Adidos em 7 de Maio de 1919, vindo do Hospital da Base 1 “por ter sido dispensado do serviço e fica aguardando oportunidade de ser repatriado. Seguiu para as prisões do Comando Militar do Corpo de Adidos no dia 8 com passagem”. Nesse mesmo dia, já se encontrava presente nas Prisões da Base afim de fazer parte do quadro permanente das mesmas.
Será repatriado juntamente com o Corpo de Adidos e embarca no dia 5 de Julho de 1919 no Porto de Embarque de Cherbourg (França) e viria a desembarcar em Lisboa, no Cais de Alcântara, em 8 de Julho desse mesmo ano.
Após voltar da guerra, viria a casar com Maria do Céu Barreiro em 9 de Setembro de 1926. Manuel Joaquim Gomes faleceu em 23 de Abril de 1934, no lugar de Cerdedo, nesta freguesia de São Lourenço de Prado, deste concelho de Melgaço.

3Lopo Passos de Almeida, soldado condutor no Sub-Parque de Munições, depois no Depósito de Artilharia de Campanha . Nasceu às três horas da tarde do dia 9 de Fevereiro de 1892 no lugar de Raposos, na freguesia de São Lourenço de Prado, filho de Augusto Passos de Almeida e de Filomena Fortunata Abreu Cunha Araújo.
À época da sua partida para a guerra, encontrava-se solteiro e era morador no referido lugar de Raposos, na freguesia de São Lourenço de Prado, neste concelho de Melgaço.
Embarcou para França integrado no Corpo Expedicionário Português a 25 de Julho de 1917, portador da chapa de identificação nº 70 886, tendo desembarcado no Porto de Brest (França).
Já no cenário de guerra, ficou afeto para os serviços auxiliares do Exército, por decisão de 20 de Dezembro de 1917. Alguns dias depois, em 23 de Dezembro, foi colocado como condutor no Comboio Automóvel.
Durante a guerra o soldado Lopo de Almeida, devido a alguns comportamentos julgados inadequados, foi punido em várias situações. Assim, foi sujeito a punição em 10 de Janeiro de 1918 “pelo Senhor Comandante da unidade com 8 dias de detenção por faltar à instrução”. Em 15 de Janeiro de 1918, foi novamente punido pelo “Comandante da Secção com 4 dias de detenção por se apresentar à parada da guarda em péssimo estado de asseio”. Foi ainda punido em 30 desse mesmo mês de Janeiro “pelo Senhor Comandante da Secção com 5 dias detenção por levar no carro que lhe está distribuído um camarada seu”. Todavia, foi novamente punido em 1 de Abril de 1918 “pelo Senhor Comandante do Serviço de Transporte Automóvel com 5 dias de detenção por sair como carro sem levar o respetivo vigia”.
Embarcou em 27 de Maio de 1918 com destino a Portugal “para repouso por mais de 30 dias”. Não há registo da data em que volta para França. Contudo, sabemos que em 9 de Setembro de 1918 embarcou de novo para Portugal a bordo do navio inglês “Czarita”. Não há registo do regresso a França no seu Boletim Individual.
Em 24 de Outubro de 1918 foi abatido ao efetivo do Serviço de Transporte Automóvel e passa a integrar o Depósito de Artilharia de Campanha, “em virtude da autorização concedida pela nota nº 1650/11 de 18 de Outubro da Repartição dos Serviços do Quartel General do Corpo Expedicionário por ter seguido para Portugal em 27 de Maio de 1918”. É aumentado ao efetivo do Depósito de Artilharia de Campanha, em 26 de Outubro, à 1ª Secção com o número 330, sendo que nesta data ainda se encontrava ausente em Portugal “desde 23 de Outubro”, dia em que abandona definitivamente o cenário de guerra. Em 31 de Janeiro de 1919, ainda se encontrava ausente em Portugal e é abatido ao efetivo do Depósito de Artilharia de Campanha “por excesso de licença”.
Conforme se refere atrás, o soldado Lopo de Almeida não regressou a França ao cenário de guerra.

4Américo de Almeida, soldado do Regimento de Cavalaria nº 11, unidade mais tarde transformada em Companhia de Ciclistas. Nasceu às dez horas da manhã do dia 26 de Fevereiro de 1894 no lugar de Raposos, na freguesia de São Lourenço de Prado, filho de Júlio Augusto Passos de Almeida e de Filomena Fortunata Abreu Cunha Araújo.
À época da sua partida para a guerra, encontrava-se solteiro e era morador no referido lugar de Raposos, na freguesia de São Lourenço de Prado, neste concelho de Melgaço.
Embarcou para França integrado no Corpo Expedicionário Português em data a 26 de Maio de 1917, tendo desembarcado no Porto de Brest (França).
Não se conhecem informações acerca do percurso do soldado Américo de Almeida pelo facto de o seu Boletim Individual não se encontrar disponível para consulta.
Sabemos contudo que o soldado Américo de Almeida regressou vivo da guerra à sua terra, tendo falecido nesta freguesia de São Lourenço de Prado, concelho de Melgaço, em 30 de Agosto de 1938.

sexta-feira, 1 de junho de 2018

MELGAÇO EM MEADOS DO SÉCULO XX (Por "FOTO PIRES")




Viaje até meados do século XX, época em que Melgaço era bem diferente daquele podemos contemplar hoje. Uma das melhores maneiras de podermos recordar esses tempos ou simplesmente conhecermos a terra nesse tempo é observarmos o legado fotográfico que nos deixou o senhor Manuel Luís Pires, da casa "Foto Pires". Ainda hoje, as suas fotografia circulam nas coleções de postais de época e são um importante legado de grande interesse histórico.
Recolhi uma pequena amostra da sua obra e compilei-a para um pequeno vídeo que percorre algumas das mais bonitas fotografias de Melgaço nessa época...

sexta-feira, 25 de maio de 2018

Melgacenses que combateram na Primeira Grande Guerra - Os Expedicionários da freguesia de Chaviães



Há cerca de um século atrás, dezenas de milhares de portugueses embarcaram com destino às trincheiras de França. De Melgaço, partiram 74 filhos da terra, dos quais 5 combatentes eram naturais da freguesia de Chaviães e que hoje são aqui homenageados neste artigo. Eram eles José Maria da Cunha, do lugar da Portela, condecorado com a Cruz de Guerra; José Narciso Pinto, do lugar da Igreja; António José Lourenço, do lugar de Louridal; José Joaquim Lopes, do lugar de Cortinhal e Anselmo Augusto Malheiro, do lugar da Bouça, sendo todos membros da célebre Brigada do Minho (4ª Brigada de Infantaria do Corpo Expedicionário Português). Infelizmente, apenas os dois últimos iriam sobreviver à guerra. Os restantes faleceram em combate e encontram-se sepultados no Cemitério Militar Português de Richebourg l’Avoile (França).
Consegui reunir um conjunto de informações acerca do percurso destes valentes soldados melgacenses de Chaviães durante a guerra:
1 - José Maria da Cunha, soldado do Batalhão de Infantaria nº 3 (Viana do Castelo), 4.ª Brigada do Corpo Expedicionário Português (2ª Divisão). Nasceu às quatro horas da manhã do dia 11 de Março de 1893 no lugar da Portela, freguesia de Santa Maria Madalena de Chaviães, filho de Aníbal dos Anjos da Cunha e de Felisbela Cândida Alves.
À época da sua partida para a guerra, encontrava-se casado desde 24 de Agosto de 1912 com Zalminda Rosa Calheiros e era morador em Melgaço.
Embarcou para França integrado no Corpo Expedicionário Português a 15 de Abril de 1917, onde pertenceu à Brigada do Minho, portador da chapa de identificação nº 49 027.
Já no cenário de guerra, em França, baixa ao hospital em 21 de Abril de 1917, tendo alta no dia 31 de Maio seguinte. Em Setembro desse mesmo ano, encontrava-se em combate, tendo sido ferido durante as hostilidades. Segundo o que podemos ler no seu Boletim Individual, na sequência deste episódio, recebeu um Louvor por parte do Quartel General do Corpo Expedicionário “pela coragem que mostrou na defesa do flanco direito do seu posto, não o abandonando, embora já ferido, senão por ordem do respetivo comandante depois do mesmo terminado”. (Ordem de Serviço do Quartel General, de 28 de Setembro de 1917). Em virtude do seu comportamento e coragem, foi condecorado com a Cruz de Guerra de 3ª classe (publicado em Decreto de 5 de Novembro de 1917).
Faleceu na 1ª linha das posições, em virtude de ter sido gravemente ferido em combate, no dia 22 de Novembro de 1917. Foi sepultado no Cemitério Militar de Le Touret, no coval nº 100. Posteriormente, os seus restos mortais foram trasladados para o Cemitério Militar Português de Richebourg l`Avoué (França), Talhão A, Fila 13, Coval 3.

2 - José Narciso Pinto, soldado do Batalhão de Infantaria nº 3 (Viana do Castelo), 4.ª Brigada do Corpo Expedicionário Português (2ª Divisão). Nasceu às oito horas da noite do dia 3 de Março de 1893 no lugar da Igreja, na freguesia de Santa Maria Madalena de Chaviães, filho de Manuel António Pinto e de Cândida Maria Alves.
À época da sua partida para a guerra, encontrava-se casado com Ana Joaquina Rodrigues desde 24 de Maio de 1916 e era morador no referido lugar da Igreja, na freguesia de Chaviães. Embarcou para França integrado no Corpo Expedicionário Português a 22 de Abril de 1917, onde pertenceu à célebre Brigada do Minho, portador da chapa de identificação nº 49 864.
Já no cenário de guerra em França, foi punido no dia 14 de Dezembro de 1917 pelo Comandante da Companhia com 10 dias de detenção porque “sendo incumbido no serviço de limpeza do Quartel da Companhia, não tinha no estado de asseio e limpeza a área do quartel que está a seu cargo na revista que em 14 (dia) foi passada…”.
Viria a ser colocado no Batalhão de Infantaria nº 29 em 6 de Abril de 1918. Combateu na Batalha de La Lys a 9 de Abril de 1918, integrado na Brigada do Minho. Foi inicialmente dado como desaparecido em combate durante a batalha, segundo anotação inscrita no seu Boletim Individual. Aparentemente, o seu corpo apenas foi recuperado mais tarde. Nesta batalha, houve corpos que apenas foram encontrados cerca de um mês depois.
Os seus restos mortais encontra-se sepultados no Cemitério de Richebourg l`Avoué (França), Talhão D, Fila 3, Coval 24.

3 - José Joaquim Lopes, soldado do Batalhão de Infantaria nº 3 (Viana do Castelo), 4.ª Brigada do Corpo Expedicionário Português (2ª Divisão). Nasceu às dez horas da manhã do dia 3 de Maio de 1895 no lugar de Cortinhal, freguesia de Santa Maria Madalena de Chaviães, filho de Vitorino José Lopes e de Maria Rosa Cortes.
À data da sua partida para a guerra, encontrava-se solteiro e era morador no referido lugar de Coutinhal, freguesia de Chaviães, deste concelho de Melgaço.
Embarcou para França integrado no Corpo Expedicionário Português a 15 de Abril de 1917, portador da chapa de identificação nº 49 537, tendo desembarcado no Porto de Brest (França).
Já no cenário de guerra, em França, foi punido “em 3 de Outubro de 1917, pelo Comandante da 2ª Companhia com oito (8) dias de (…) detenção porque estando debaixo de forma, comunicou fogo ao conteúdo de um cartucho que tinha previamente tirado a bala…”. Viria a ser punido novamente em 2 de Abril de 1918 “com 10 dias de prisão disciplinar por ser encontrado na estrada levando o cavalo a trote contra o que está determinado…”.
Baixou ao Hospital da Base 2 em 22 de Maio de 1918, tendo alta no dia seguinte. Em 10 de Julho desse mesmo ano, iniciou o gozo de 30 dias de licença, findos os quais se devia apresentar a uma “nova Junta Médica”. Esta anotação permite-nos saber que anteriormente já tinha sido presente a Junta Médica ainda que não haja nenhuma anotação referente a isso no seu Boletim Individual. Nesse sentido, seguiu para o Depósito de Infantaria afim de ser repatriado em 17 de Julho desse ano.
Posteriormente, passou em 30 de Setembro de 1918, para o Batalhão de Infantaria nº 22, 3ª Companhia.
Em 9 de Novembro, foi abatido ao efetivo do batalhão e à companhia a que pertencia por ter tido passagem ao Quartel General 1, por ordem do comando do 1º Batalhão de Infantaria, ficando adido ao Trem Divisionário desde o dia 10 do dito mês de Novembro de 1918.
Encontrava-se presente em 12 de Março de 1919 no Esquadrão de Remonta ficando aí adido vindo do Trem Divisionário.
Sobreviveu à guerra, tendo embarcado no Porto de Embarque de Cherbourg (França) em 3 de Maio de 1919, com destino a Portugal a bordo do navio inglês “Maryland”, tendo desembarcado em Lisboa, no Cais de Alcântara, em 6 de Maio de 1919.
Após voltar da guerra, viria a casar com Maria da Silva Fontes em 9 de Junho de 1927 no Rio de Janeiro (Brasil).

4 - Anselmo Augusto Malheiro, soldado do Batalhão de Infantaria nº 3 (Viana do Castelo), 4.ª Brigada do Corpo Expedicionário Português (2ª Divisão). Nasceu às nove horas da manhã do dia 29 de Agosto de 1894 no lugar da Bouça, na freguesia de Santa Maria Madalena de Chaviães, filho de José de Abreu Malheiro e de Florinda Rosa Vaz.
À época da sua partida para a guerra, encontrava-se solteiro e era morador no referido lugar da Bouça, na freguesia de Santa Maria Madalena de Chaviães, neste concelho de Melgaço.
Embarcou para França integrado no Corpo Expedicionário Português a 15 de Abril de 1917, portador da chapa de identificação nº 49 459, tendo desembarcado no Porto de Brest (França) em 19 do mesmo mês e ano.
Conhece-se pouco do percurso do soldado Anselmo Malheiro durante o conflito. Já no cenário de guerra, em França, não há registo no seu Boletim Individual entre meados de Abril de 1917 e meados de Agosto de 1918. Sabe-se que em 12 de Agosto de 1918, foi promovido a 1º Cabo contando para efeitos de antiguidade a partir do dia seguinte (Ordem de Serviço nº114 do 1º Batalhão da Brigada do Minho de 12/8/1918).
Em 14 de Setembro de 1918, foi punido “pelo Sr. Comandante da Companhia com 4 dias de detenção por ser encontrado no campo de instrução e durante o intervalo apoderou-se de alguns frutos de uma nogueira pertencente a uma propriedade que confina com o mesmo campo”. Contudo, em 16 de Setembro seguinte, inicia o gozo de uma licença de campanha de 53 de duração.
Embarca em data que se desconhece no Porto de Embarque de Cherbourg (França) e viria a desembarcar, juntamente com a Brigada do Minho, em Lisboa, no Cais de Alcântara, em data que não aparece inscrita no seu Boletim Individual.
Após voltar da guerra, viria a casar com Alice da Conceição Rodrigues, natural de Chaviães, em 19 de Outubro de 1919. Anselmo Malheiro faleceu em 21 de Março de 1981, nesta freguesia de Chaviães, deste concelho de Melgaço.

5 - António José Lourenço, soldado do Batalhão de Infantaria nº 3 (Viana do Castelo), 4.ª Brigada do Corpo Expedicionário Português (2ª Divisão). Nasceu às oito horas da noite do dia 26 de Abril de 1892 no lugar do Louridal, na freguesia de Santa Maria Madalena de Chaviães, filho de Augusto Cândido Lourenço e de Ana Marinha.
À época da sua partida para a guerra, encontrava-se casado desde 24 de Janeiro de 1912 com Isaura Salgado e era morador na freguesia de Santa Maria Madalena de Chaviães, neste concelho de Melgaço.
Embarcou para França integrado no Corpo Expedicionário Português a 15 de Abril de 1917, portador da chapa de identificação nº 49 454, tendo desembarcado no Porto de Brest (França).
Conhece-se pouco do percurso do soldado António José Lourenço durante o conflito. Já no cenário de guerra, em França, baixou à ambulância nº 5 em 2 de Agosto de 1917, tendo tido alta no dia 29 do mesmo mês e ano.
Em 12 de Março de 1918, encontrava-se em combate na 1ª linha das posições. Foi ferido e faleceu nesse mesmo dia durante as hostilidades. O seu corpo foi sepultado no Cemitério de Laventie (localidade no norte de França onde se encontrava em combate). Posteriormente, os seus restos mortais foram trasladados para o Cemitério Militar Português de Richebourg l`Avoué (França), Talhão A, Fila 2, Coval 3.

sexta-feira, 18 de maio de 2018

As águas curativas de Melgaço em meados do século XVIII





Melgaço é conhecido desde fins do século XIX como terra de águas milagrosas. Das nascentes da estância termal do Peso, nasce uma água com caraterísticas ímpares em Portugal, especialmente no tratamento da diabetes e que foi descoberta há cerca de 130 anos.
Todavia, desde há várias séculos, há referências a nascentes de águas com caraterísticas medicinais que os fregueses sempre acreditaram que curavam determinadas doenças. Noutros artigos anteriores, já aqui fiz referências às Caldas de Fiães e Paderne e outras nascentes em outros pontos do concelho.
No século XVIII, temos as Memórias Paroquias como uma das mais importantes fontes históricas para nos ajudar a compreender como era Melgaço na época. Mas o que são as memórias Paroquiais de 1758?
Um aviso de 18 de Janeiro de 1758 do Secretário de Estado dos Negócios do Reino, Sebastião José de Carvalho e Melo, fazia remeter, através dos principais prelados, e para todos os párocos do reino, os interrogatórios sobre as paróquias e povoações pedindo as suas descrições geográficas, demográficas, históricas, económicas, e administrativas, para além da questão dos estragos provocados pelo terramoto de 1 de Novembro de 1755. As respostas deveriam ser remetidas à Secretaria de Estado dos Negócios do Reino. Desta forma, estas Memórias Paroquias correspondem a um conjunto de respostas dadas a esse inquérito.
Um dos itens sobre os quais os párocos eram questionados, era a existência ou não nas paróquias de nascentes de águas curativas bem como as suas caraterísticas e prescrições.
Em Melgaço, vários párocos fazem referências a nascentes nas suas memórias paróquias em 1758. Um deles é o pároco de Castro Laboreiro que nos conta que na chamada Ribeira do Porto dos Asnos existe uma “(...) água que tem virtude para curar as chagas, e forragem da boca nos meninos lactantes, em que mais comumente se acha este dano”. Tais virtudes das águas desta ribeira são confirmadas no livro do Padre Carvalho da Costa no seu livro “Corografia Portuguesa” (1706) quando este afirma que “quando himos do Porto dos Asnos, ou Cavalleiros, passamos outro limitado ribeiro, pelo qual foy a pé o Santo Arcebispo Dom Frey Bertholameu dos Martyres a visitar aquella Igreja. Tem virtude esta água para curar a boca lixosa às crianças e outras enfermidades”.
Por outro lado, o pároco de Penso, também nos fala de uma fonte de nascente junto ao rio Minho que é conhecida há séculos como a Fonte Santa. O sacerdote escreveu nas Memórias que “(...) se lhe cha­ma por tradição antiga a Fonte Santa, tem a água dela várias vir­tudes. Tem a água desta fonte um cheiro de enxofre mas no sabor não tem mau gosto. É muito clara e muito fresca, somente o cheiro de enxofre tem a circunstância que lançando-se na dita água alguma prata a põe em breves instantes amarela como perfumada de ouro e logo se tira da água esfregando-a com os dedos da mão se alimpa e fica como dantes limpa. Por donde corre água da dita fonte deita um limo pelo rego da cor do mesmo eixofar”. O padre escreve ainda que a água emanada desta fonte era indicada “(...) especialmente para queixas de destemperança de fígado, lepra e outras mais queixas que procederam de humores quentes. Tem mais a virtude que quem beber da água dela lhe abre a vontade de comer se tiver fastio (...) e lavando alguma ferida com a água dela são especialmente se for presidida deste […] do fígado tem sido muita gente que vem tomar banhos a ela recuperando a saúde perdida de água milagrosa”.
Podemos ainda ler nas Memórias Paroquiais de Chaviães, onde o vigário nos fala de umas águas que nascem nas margens do rio Minho ou emergem no meio deste. O dito sacerdote carateriza essas águas como “Salutíferas, medicinais, asidulas por passarem por minerais de ferro (…) e costumam onde nasce, correr pouca água, deixar por cima um lasso prateado com algumas feses douradas”. O vigário fala-nos que estas águas “tem virtude eficaz para curar feridas porque são um conjunto de vá­rias águas e muitas delas são sulfúreas que nascem pela borda do dito rio e outras nasceram no centro dele e pelas áreas de ouro”.
Ainda em relação às águas do rio Minho, o vigário de Chaviães escreve nas Memórias Paroquiais que “hum célebre médico castelhano, (…) D. Jozé Lavandera (…) fez nelas suas experiências e foi maravilhado dellas, dizendo que tinham a mesma virtude que as de [Prixmoni?], em Inglaterra”.
Como vemos, as crenças nos poderes curativos das águas de diversas nascentes no nosso concelho de Melgaço é muito mais antigo que o conhecimento das virtudes das águas do Peso…                    

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Melgacenses que combateram na Primeira Grande Guerra - Os Expedicionários da freguesia de S. Martinho de Alvaredo




No artigo de hoje, prestamos homenagem aos soldados de São Martinho de Alvaredo que integraram o Corpo Expedicionário Português e que combateram nas trincheiras da Flandres Francesa entre meados de 1917 e Novembro de 1918. Foram eles António Besteiro, do lugar da Carrasqueira; Avelino Fernandes, do lugar de Ferreiros; Abel Fernandes, do lugar da Fonte; Nicolau de Souza Lobato, do lugar da Charneca e Artur Domingues do lugar do Maninho. Os três primeiros pertenciam à célebre Brigada do Minho (4ª Brigada de Infantaria do Corpo Exedicionário Português), enquanto que o soldado Nicolau Lobato integrava o Regimento de Cavalaria 4 e o soldado Artur Domingues pertencia ao 1º Esquadrão de Remonta.
Todos regressaram vivos da guerra. Apresentam-se aqui as informações que se conseguiram apurar acerca do percurso de cada um deles durante a guerra:

1 - Avelino Fernandes, Soldado do Batalhão de Infantaria nº 3 (Viana do Castelo), 4.ª Brigada do Corpo Expedicionário Português (2ª Divisão). Nasceu às três horas da manhã do dia 7 de Novembro de 1893, filho de Francisco Fernandes e Libania Martins Peixoto, natural do lugar de Ferreiros, freguesia de Alvaredo, neste concelho de Melgaço.
À época da sua partida para a guerra, encontrava-se casado com Justina Domingues Caldas desde 4 de Janeiro de 1913.
Embarcou para França em 18 de Abril de 1917 integrado no Corpo Expedicionário Português, portador da chapa de identificação nº 49 462, onde pertenceu à celebre Brigada do Minho.
Do seu percurso no cenário de guerra, em França, pouco se sabe. Sabemos que participou na trágica Batalha de La Lys. Nessa batalha, a 9 de Abril de 1918, desapareceu em combate. Em Novembro de 1918, no final do conflito, por comunicação da Comissão dos Prisioneiros de Guerra, verificou-se que o soldado Avelino Fernandes constava nas listas de prisioneiros de guerra internados em campos alemães. Tinha sido feito prisioneiro pelos alemães durante a referida batalha e levado para o Campo de Prisioneiros de Dulmen (Alemanha).
O soldado Avelino Fernandes viria a sobreviver à guerra. Ainda se encontrava no campo de prisioneiro em 17 de Dezembro de 1918. Seguiu para a Holanda onde embarcou no navio inglês "Northwestern Miller" em 12 de Janeiro de 1919, tendo desembarcado no Cais de Alcântara, em Lisboa no dia 18 de Janeiro de 1919.
Viria a falecer às seis horas do dia 6 de Agosto de 1964, na freguesia de Alvaredo, concelho de Melgaço.

2 - Abel Fernandes, soldado do Batalhão de Infantaria nº 3 (Viana do Castelo), 4.ª Brigada do Corpo Expedicionário Português (2ª Divisão). Nasceu à meia noite do dia 19 de Abril de 1894 no lugar da Fonte, freguesia de São Martinho de Alvaredo, filho de Bento Fernandes e de Ana Pires.
À data da sua partida para a guerra, encontrava-se solteiro e era morador no lugar da Fonte, freguesia de Alvaredo, deste concelho de Melgaço.
Embarcou para França integrado no Corpo Expedicionário Português a 22 de Abril de 1917, onde pertenceu à célebre Brigada do Minho. Já no cenário de guerra, em França, foi colocado na 1ª Bateria de Morteiros Pesados em 25 de Outubro de 1917, onde se encontrava na 1ª linha de defesa das posições.
Terá combatido na Batalha de La Lys em 9 de Abril de 1918, tendo inclusivamente recebido um louvor “pela boa vontade e inteligência com que desempenhou todos os serviços de serralheiro de que foi encarregado durante o tempo que a bateria esteve na 1ª linha de que resultou todo o pessoal estar bem alojado e com comodidades o que concorreu para a saúde do pessoal” (Louvor pelo Comandante do Batalhão em 11 de Abril de 1918).
Sobreviveu à guerra, tendo embarcado no porto de Embarque de Cherbourg (França), com destino a Portugal e desembarcado em Lisboa, no Cais de Alcântara, em 9 de Junho de 1919.
Depois de voltar da guerra, casou com Alzira Domingues no dia 4 de Fevereiro de 1922. Viria a falecer na freguesia de S. Martinho de Alvaredo em 24 de Novembro de 1984.

3 - Nicolau de Souza Lobato, soldado chauffeur do Regimento de Cavalaria nº 4 do Corpo Expedicionário Português. Nasceu no dia 17 de Janeiro de 1895 no lugar da Charneca, freguesia de São Martinho de Alvaredo, filho de José de Souza Lobato e de Hermínia da Glória Domingues.
À data da sua partida para a guerra, encontrava-se solteiro e era morador no lugar da Charneca, freguesia de Alvaredo, deste concelho de Melgaço. Embarcou para França integrado no Corpo Expedicionário Português a 21 de Abril de 1917.
Já no cenário de guerra, em França, desempenhou sobretudo serviço de condutor no Parque Automóvel do Corpo Expedicionário Português. Viu-se frequentemente envolvido em vários episódios de indisciplina. Baixa à ambulância 5 em 29 de Outubro de 1917, tendo tido alta em 2 de Novembro. Em 13 de Novembro do mesmo ano, volta a baixar à ambulância, tendo alta no dia 17 do mesmo mês e ano.
Em 4 de Fevereiro de 1918, foi punido pelo “Sr. Comandante do 3º Grupo Automóvel com 2 dias de detenção porque tendo ido à revista de saúde e dizendo-lhe ser facultativo para não sair da enfermaria sem tomar um purgante, não cumpriu esta ordem”.
Em 30 de Maio de 1918, volta a envolver-se num episódio de indisciplina, tendo sido punido “pelo Sr. Comandante do Parque Automóvel com 4 dias de detenção por ter faltado à 1ª refeição sem motivo justificado”.
Na sequência destes episódios, em 29 de Julho de 1918, o soldado Nicolau Lobato foi punido pelo Tribunal de Guerra do Corpo Expedicionário “com 60 (sessenta) dias de prisão correcional.
Em 6 de Fevereiro de 1919, baixou ao Hospital de Sangue 8. Em 18 de Março de 1919, passou ao Esquadrão de Remonta. Em 3 de Abril do mesmo ano, encontrava-se no Hospital de Sangue 6, de onde foi evacuado nessa data para o Hospital da Base 1, tendo tido alta no dia 2 de Maio de 1919 para o C.M.C.A. Nessa data, deu entrada nas Prisões da Base afim de recolher ao Depósito Disciplinar 1 “por ali pertencer”. Em 24 de Maio, encontrava-se no Comando Militar do Corpo, de onde seguiu de novo, no dia seguinte, sob escolta, para o Depósito Disciplinar 1. No dia 30 de Maio de 1919, encontrava-se presente no Depósito Disciplinar 1 “afim de cumprir 60 dias de prisão correcional”.
Em 9 de Junho de 1919, encontrava-se no Porto de Embarque de Cherbourg (França) com vista a ser repatriado. Embarcou, juntamente com o pessoal dos Serviços Administrativos, em 22 de Junho de 1919 com destino a Portugal. Desembarca em Lisboa, no Cais de Alcântara, em 25 de Junho do mesmo ano.
Sobreviveu à guerra, tendo embarcado no Porto de Embarque de Cherbourg (França), com destino a Portugal e desembarcado em Lisboa, no Cais de Alcântara, em 9 de Junho de 1919.
Depois de voltar da guerra, casou com Claudina Maria Martins no dia 9 de Outubro de 1920. Viria a falecer na freguesia de S. Martinho de Alvaredo, concelho de Melgaço, às 18 horas e 30 minutos dia 17 de Outubro de 1923.

4 - Artur Domingues, soldado do 1º Esquadrão de Remonta - Escola de Equitação. Nasceu às três horas da manhã do dia 14 de Outubro de 1894 no lugar do Maninho, freguesia de São Martinho de Alvaredo, filho de André Domingues e de Maria Martins.
À data da sua partida para a guerra, encontrava-se solteiro e era morador no lugar do Maninho, freguesia de Alvaredo, deste concelho de Melgaço. Embarcou para França integrado no Corpo Expedicionário Português a 2 de Julho de 1917, portador da chapa de identificação nº 67360.
Sabe-se muito pouco do seu percurso durante o conflito. Já no cenário de guerra, em França, seguiu para o Esquadrão de Remonta em 3 de Agosto de 1918, tendo sido promovido a 1º Cabo em 5 de Setembro do mesmo ano. Em 2 de Novembro, estava presente no Quartel General do Corpo Expedicionário, proveniente do dito Esquadrão de Remonta.
Em 6 de Abril, passou à 1ª Secção Auxiliar do Comando do Quartel General do Corpo Expedicionário.
Sobreviveu à guerra, tendo embarcado no porto de Embarque de Cherbourg (França), com destino a Portugal a bordo do navio “Mormugão” (navio alemão de nome original “Kommodore” que foi apresado pelos portugueses em Goa, Índia Portuguesa em 1916) e desembarcado em Lisboa, no Cais de Alcântara, em 1 de Novembro de 1919.

5 - António Besteiro, soldado do Batalhão de Infantaria nº 3 (Viana do Castelo), 4.ª Brigada do Corpo Expedicionário Português (2ª Divisão). Nasceu às quatro horas da manhã do dia 18 de Fevereiro de 1892 no lugar da Carrasqueira, freguesia de São Martinho de Alvaredo, filho de José Besteiro e de Florinda Pires.
À data da sua partida para a guerra, encontrava-se solteiro e era morador no referido lugar da Carrasqueira, freguesia de Alvaredo, deste concelho de Melgaço. Embarcou para França integrado no Corpo Expedicionário Português a 15 de Abril de 1917, portador da chapa de identificação nº 66538, tendo desembarcado no Porto  de Brest (França) no dia 18.
Sabe-se muito pouco do seu percurso durante o conflito. Já no cenário de guerra, em França, baixou à ambulância em 5 em 23 de Agosto de 1918, tendo alta no dia 3 de Setembro.
Após a reformulação do Corpo Expedicionário Português, passa a integrar o 6º Batalhão do C.E.P. Sobreviveu à guerra, tendo embarcado no Porto de Embarque de Cherbourg (França), com destino a Portugal a bordo do navio inglês “Northwestern Miller” em 15 de Abril de 1919, tendo desembarcado em Lisboa, no Cais de Alcântara, em 19 de Abril de 1919.
Após voltar da guerra, casa com Aurora Bernardo em 21 de Maio de 1925. Viria a falecer em 31 de Outubro de 1985 na freguesia de São Martinho de Alvaredo, deste concelho de Melgaço.